Sobre a faculdade e expectativas irrealistas

Esses dias eu estive assistindo vários Stories de outros studygram e estive pensando em como as pessoas tem expectativas bem irrealistas sobre a faculdade e o meu objetivo nesse texto não é cortar o barato de ninguém, é apenas contar algumas coisas sobre a faculdade pra ninguém entrar nela com ideias completamente equivocadas.

Primeiramente, não é porque você escolheu uma faculdade baseado naquilo que você gosta que você só vai necessariamente estudar coisas que você gosta. Eu tenho períodos na faculdade em que tenho matérias realmente odiosas e sou obrigada a fazê-las. Vejo muita gente dizendo “não gostei dessa matéria, vou trancar.” sendo que se a matéria for obrigatória você só vai estar adiando uma coisa que é inevitável. Então, aceite o fato que as vezes você vai estudar o que não gosta.

Outra questão importante que eu vejo é aluno pegando ranço da matéria porque a avaliação é trabalho em grupo. Vejo gente falando que isso é coisa de ensino médio e vou falar a real pra vocês: eu não gosto de trabalho em grupo! Eu sempre prefiro fazer trabalhos individuais para ter o total controle sobre aquilo que estou fazendo, porém a vida envolve trabalho em grupo porque nós estamos todos os dias em contato com pessoas e não adianta nada ficar com raiva de ter que fazer trabalho em grupo. Entendo totalmente o lado de pessoas que são tímidas e/ou anti-sociais e que realmente possuem mais dificuldades de se entrosar com os grupos, acho até bem pesado que muitas vezes essas pessoas sejam obrigadas a apresentar trabalho na frente da turma e esse tipo de coisa, mas se você assim como eu prefere fazer trabalho sozinho por causa de controle, trabalhos em grupo são um ótimo exercício pra aprender a ter mais humildade e se importar com o coletivo. Quando eu estava no Ensino Médio eu fazia trabalho em grupo no estilo “cada um faz uma parte e depois juntamos” e quanto mais trabalhos em grupo eu faço na faculdade melhor estou ficando nisso e os resultados são bem positivos.

A faculdade não é um mar de rosas e muitas vezes são mais momentos de luta que de glória, entrar na faculdade é difícil e sair dela é tão difícil quanto. Eu sou grata todos os dias por já estar na faculdade e não estar estudando pro vestibular porque dentro da faculdade as coisas parecem mais claras e o vestibular é realmente desgastante, mas você não pode sair do vestibular com a ilusão que vai ser tudo de bom e que agora você só vai estudar o que gosta e fazer o que quer. A vida não é assim e a faculdade também não. Meu conselho pra vocês é entrar na faculdade com isso em mente, porque se você ficar esperando que suas vontades serão atendidas não vai fluir. Você vai ter professores cuja a didática não vai ser da forma que você gostaria, matérias chatas, provas que não são da forma que você está acostumado e você precisa saber lidar com isso da melhor forma. E a melhor forma definitivamente não é ficar com raiva.

2016

Hoje eu vim falar pra vocês do ano mais cheio e turbulento da minha vida: 2016. O ano que eu fiz o Enem que me fez ingressar na faculdade, meu último ano na escola, ano de olimpíadas na minha cidade e ano em que eu fiz 18.

A minha história com 2016 começa com o meu colégio, eu estudava em um colégio particular pequeno e de pouca expressão, a gente tomava uma surra no Enem por escolas e era raríssimo que pelo menos um aluno saído de lá passasse no vestibular, a justificativa pra isso era o material didático péssimo que a gente precisava usar(umas apostilas horrorosas da FTD) e a desorganização estrutural do colégio – enquanto os colégios normais davam toda a matéria nova durante os dois primeiros anos do ensino médio para no terceiro ano revisar as matérias para o vestibular, nós tínhamos matéria nova até basicamente a semana anterior ao Enem e eu tô falando sério. Aprendi a fazer coisas como Segunda Lei de Mendel e calcular juros simples e compostos alguns meses antes de fazer o Enem.

Porém, eu tinha professores muito bons e estudava em uma turma de 22 alunos, então como eu estava disposta a aprender, eles estavam igualmente dispostos a me ajudar. Eu passei todo o mês de janeiro durante as férias, pesquisando métodos de estudo e quando eu voltei para a escola estava disposta a ser a melhor aluna possível e não deu outra: tirei as maiores notas da minha turma em todos os bimestres. Isso na verdade foi só consequência do que eu realmente queria que era passar na faculdade, então tudo o que aparecia eu via uma oportunidade de aprender. Fazia todos os trabalhos de casa, todos os exercícios em aula, assistia os filmes que meus professores recomendavam, fazia redação toda semana e tentava tirar o máximo de proveito das aulas. No meu colégio, nós tínhamos um calendário de provas muito extenso e quase toda semana nós fazíamos pelo menos uma, então eu separei meu tempo de estudo entre as provas e o Enem e meus professores me ajudavam principalmente com o que eu estudava em casa, eu fazia muitas redações e simulados sozinha e eles corrigiam, também me passavam material que pudesse ajudar.

Além dos estudos, eu fazia parte da comissão de formatura e a gente organizou muita coisa bacana durante o ano. Fizemos muitos lanches coletivos, dias temáticos e viajamos para Angra dos Reis nas férias(eu fui de graça!). Também tivemos uma festa de formatura em janeiro na qual eu não compareci por ter uma prova de bolsão na manhã do dia seguinte.

Foi um ano em que eu passei a cuidar muito mais do meu sono, eu acordava muito cedo pra aula e estudava até o limite, as vezes eu passava do limite e acordava mal no dia seguinte. Eu tive que ir dormir tarde duas noites seguidas porque estava fazendo curso pra batizar a minha afilhada e foi uma semana horrível pra mim porque eu precisava dormir bem. Além disso, eu tinha curso todos os sábados de manhã.

No recesso no meio do ano, eu aproveitei para curtir as olimpíadas ao máximo e confesso que só estudava por algumas horas. Eu amo esportes e queria assistir o máximo possível, até mesmo quando as aulas voltaram eu cheguei a ir nas paralimpíadas. E até estranho pra mim quando eu percebo que o ano que eu mais fiz coisas foi um dos anos que eu mais me diverti.

A pior parte era ficar doente, as vezes eu ficava doente e meu corpo me puxava pra cama e minha cabeça estava me mandando ir estudar. Eu me estressei tanto por causa do excesso de estudo e o medo de não conseguir ir bem que isso me incapacitava em alguns momentos e só recentemente eu fui descobrir que muita coisa que aconteceu comigo durante esse ano foi causado por estresse, um exemplo é que as vezes uma parte do meu corpo travava e eu sentia dores horríveis sem motivo nenhum. Então, vai o meu conselho pra vocês: tentem não se estressar, estresse só atrapalha. Eu cheguei ao ponto de contar os dias para o Enem chegar logo porque eu não aguentava mais ficar na expectativa pra fazer a prova.

Menos de uma semana antes do Enem acontecer, ele foi adiado porque eu faria o Enem em uma escola que havia sido ocupada. Eu passei horas chorando, muita gente me disse que eu era sortuda por ter mais tempo pra estudar, mas eu não aguentava mais estudar e já tinha feito todo um esquema para os dias anteriores a prova. Em 2016 o Enem ainda era em um fim de semana só(inclusive prefiro) e a nova data da minha prova seria no fim de semana anterior a última semana de provas do meu colégio, ou seja, eu faria o Enem e teria que fazer prova logo no dia seguinte. Na minha turma toda só eu e mais um menino faríamos a prova em outra data, então não tinha muito como negociar com o colégio. Sábado, dia da minha primeira prova do Enem também foi dia de feira cultural no meu colégio, então eu não pude comparecer.

A parte mais esquisita disso tudo é que eu saí extremamente relaxada nos dois dias de prova. Eu não sabia se tinha ido bem ou mal, mas só o fato de me livrar daquilo já era um alívio pra mim. Depois eu terminei minhas provas no colégio e fui pra casa. Lembro de ter dormido tanto quanto tudo acabou que quando eu acordei eu nem tinha noção de nada. 2016 me cansou tanto que o quê eu fiz mais do que qualquer coisa em 2017 foi dormir.

Eu fiz esse post sobre 2016 porque eu sempre quis desabafar sobre esse ano que apesar de todos os problemas, também foi incrível e meu deu muitas alegrias e novas amizades. E também porque lá em 2016 eu questionava muito se ia conseguir entrar na faculdade, se estava nadando pra morrer na praia e muitas vezes se eu ia conseguir sobreviver aquele ano e aqui estou eu em 2019 falando sobre 2016 pra vocês e a mensagem que eu quero deixar é que vocês são mais fortes do que vocês pensam e que vocês podem conseguir tudo aquilo que vocês querem.

Meus discos preferidos de 2018

Não sou uma grande entendedora de música e nem alguém que fica caçando músicas novas, eu até fazia isso quando eu era mais nova, mas hoje em dia não tenho tempo e nem muita energia pra isso. Então eu escuto álbuns novos de artistas que eu já conheço e gosto, que se saíram bem nas avaliações e por indicações de amigos. Músicas definitivamente não são o foco desse blog, mas eu realmente queria compartilhar esses álbuns, então espero que vocês gostem.

Sweetener(Ariana Grande): Esse é provavelmente o álbum que eu mais ouvi no ano passado, porém não é o meu preferido e isso pode parecer um pouco confuso. O Sweetener é dividido em quatro partes e pra mim a parte um é uma bomba, eu realmente não gosto de nenhuma das músicas. Em compensação as outras partes do ´álbum são formadas por vários hinos, portanto esse álbum pra mim só não é perfeito por 1/4 dele. Minha música preferida é Get Well Soon.

Golder Hour(Casey Musgraves): Conheci esse álbum depois que ele ganhou o Grammy e gostaria de ter conhecido antes porque é realmente muito bom. A Casey canta música country romântica e minha preferida do álbum é Love is a Wild Thing.

Love Yourself – Tear(BTS): Na soma de tudo, ouvi BTS mais que qualquer outra coisa no ano passado e a minha retrospectiva do Spotify provou isso. Eu não conhecia o BTS e tampouco ouvia muito Kpop e de tanto ter contato com as fãs deles no twitter, comecei a ouvir. Eles são realmente extremamente talentosos e o álbum é bem gostoso de ouvir, eu consigo deixar as músicas tocando sem ficar selecionando o que vou ouvir. Minha preferida é Singularity.

Camila(Camila Cabello): Eu adoro a fada cubana e fiquei esperando ansiosa pelo primeiro álbum dela e o resultado foi ainda bem melhor do que eu esperava, ela mandou muito bem no álbum de estréia e ainda foi bem aclamada pela crítica. Minha preferida é o single desperdiçado She Loves Control, mas também amo Real Friends. 

I Want Love(Kassy): I Want Love não chega a ser um realmente um álbum porque só tem 6 músicas(uma delas a versão instrumental de outra) então seria mais um EP. Kassy é minha cantora coreana preferida e ela é desconhecida do grande público, mas realmente vale a pena ouvir porque ela é muito talentosa e merece muito mais reconhecimento. A música título do EP é também a minha preferida.

Dona de mim(Iza): O único álbum nacional que vai figurar aqui na lista e não por culpa do cenário nacional e sim porque eu acabei não ouvindo muitas músicas nacionais ano passado que fizessem parte de álbuns, a maioria eram músicas avulsas, além do Dona de Mim, só ouvi o álbum da Melim e Noturno, da Anaadi(que ganhou o Grammy Latino) e definitivamente eu amei Dona de Mim. A Iza é incrível e eu espero que ela se torne cada vez mais reconhecida no cenário nacional porque ela merece. Gosto de uma das músicas mais conhecidas do álbum, Ginga.

El Mal Querer(Rosalía): Falo com tranquilidade que El Mal Querer é muito melhor que muitos álbuns aclamadíssimos em inglês, se a Rosalía fosse americana e produzisse um álbum tão conceitual quanto El Mal Querer provavelmente ela ganharia um monte de prêmios importantes, porém ela foi bem aclamada no Grammy Latino e pela crítica internacional. Esse é o segundo álbum dela e Rosalía ainda é super jovem, então vou ficar feliz em acompanhar a carreira dela. Minha preferida é Malamente.

LM5(Little Mix): Não tem nada que o Little Mix faça que eu não goste, esse não é nem o meu álbum preferido delas, mas como tudo que elas fazem tem qualidade, o LM5 não poderia ficar de fora da minha lista. Minha preferida é Monster in Me.

Cinco dicas para relaxar antes das provas

Cinco dicas para relaxar antes das provas:

  Muitas vezes nos concentramos tanto em estudar o conteúdo da prova que não nos preocupamos com algo extremamente importante que é está bem antes da prova. Acontece com frequência de você esquecer alguma parte do conteúdo que você estudou, administrar mal o tempo da prova e pelo menos no meu caso, ficar tremendo durante a prova inteira. Então hoje eu vim dar dicas para vocês relaxarem antes da prova, isso serve tanto para a noite anterior a da prova na qual você precisa ter uma boa noite de sono ou não vai ser tão produtivo no dia seguinte, quanto naqueles minutinhos antes da prova nos quais o professor fica esperando a hora certa para aplicar a prova. 

– ASMR: Nem todo mundo gosta ou sente ASMR, mas no meu caso sempre deu muito certo. É mais eficaz na noite anterior a da prova que antes da prova porque o ASMR pode acabar dando sono. Existem alguns próprios para provas, entretanto vídeos com afirmações positivas são muito bons para uma prova. Uma vez eu fui fazer uma prova na qual eu estava muito nervosa e me lembrei de uma afirmação positiva de um ASMR que dizia que eu ia dar o meu melhor e que aquilo era o suficiente, aquilo me ajudou muito a manter minha mente focada durante a prova e meu resultado acabou sendo muito bom.

– Meditação Guiada: Eu comecei a fazer meditação guiada quando estava estudando para o vestibular, eu sempre ouvia áudios curtos de meditações para foco antes de começar a estudar. Existem meditações guiadas para ouvir antes de uma prova e principalmente para dormir na noite anterior a da prova e eu ainda não tive nenhuma experiência ruim com meditação guiada e sempre me sinto muito melhor indo fazer uma prova depois de ter meditado.

– Música Clássica: A parte mais positiva de ouvir música clássica é que ela serve tanto pra ouvir enquanto ainda se está estudando como também antes das provas. Existem vários estudos que falam dos benefícios da música clássica para os estudos e também para a vida.

– Anotações: Fazer anotações antes da prova podem ajudar você a gravar certas partes do conteúdo. Naqueles minutinhos antes da prova você pode pegar uma folha de papel em branco e anotar palavras-chave ou frases que vão te ajudar a se recordar do conteúdo estudado durante a prova. Hoje em dia é muito comum que as pessoas façam resumos online, principalmente de conteúdos extensos, entretanto é muito válido anotar porque é algo menos automático e sempre me ajudou a fixar melhor.

– Conversas: Uma coisa que eu faço desde sempre antes de uma prova é conversar com meus colegas de turma sobre o conteúdo antes da prova. Agora na faculdade, muitas vezes nós nos sentamos no corredor e ficamos debatendo sobre possíveis questões de prova e quais seriam as nossas respostas e muitas vezes nós acabamos tirando dúvidas que ficaram, mas a parte mais importante é que essa troca de ideias acaba sendo muito benéfica porque as pessoas estudam de formas diferentes e pode acontecer do seu colega de turma ter conseguido chegar na mesma resposta que você por um caminho mais simples. Algumas pessoas não acham esse processo muito relaxante e preferem ficar sozinhas antes da prova e muitas vezes eu também prefiro ficar sozinha ao invés de conversar antes, então eu acredito que isso não seja algo universal porque depende de cada pessoa e também do momento.

O motivo de eu criar um blog

Eu tenho uma página no Instagram sobre estudos(@alistudies_) e muitas vezes eu quero escrever coisas que não são muito possíveis no Instagram e acaba me dando um sentimento que eu não estou compartilhando tanto quanto eu gostaria de compartilhar tendo um studygram. No blog eu posso escrever bem mais e tratar sobre assuntos mais diversos, além de poder fazer resenhas de livros mais completas.

Espero de coração que vocês gostem porque eu não escrevo um blog desde que era criança e está sendo uma grande aventura pra mim. E também espero que vocês se sintam confortáveis de interagir, mandar perguntas e sugestões porque eu fiz isso pensando em vocês também!

Meus agradecimentos à Annelize e Kamille por todo o apoio e suporte nessa jornada, esse blog também é pra vocês.